segunda-feira, março 13, 2017

Meu caso com o ballet - Parte 1 #balletadulto

| |
Eu sei, eu sei. Normalmente quem começa a fazer ballet depois de certa idade é porque sempre sonhou com isso, e o momento certo para realizar foi na idade adulta. Comigo foi diferente, eu nunca quis ser bailarina. Eu queria ser espiã, Maria do Bairro, presidente do Brasil ou cigana. Porém, pensa em uma pessoa que sempre dançou como se não houvesse amanhã? Eu mesma.

Minha história com o ballet foi de períodos, e definitivamente ele me escolheu, pois sempre tive muita resistência em fazer essa modalidade.

Meu primeiro contato com ele foi quando eu tinha uns nove anos. Foi na escola. Eu tava animada. Meu pai foi comigo comprar as sapatilhas. Eu queria dourada. Minha mãe disse que era brega, aí eu peguei a rosa. Jazz. Foi o que a diretora falou. Na minha cabeça íamos ter aula ao som de saxofones ( Jazz né, gente. Reconsiderem que nem é uma sacada idiota se você é criança ainda. Não pior do que quando minha mãe me colocou na aerobahia e eu pensei que fosse uma aula de dança dentro de um avião indo pra salvador.ok.). Só que a professora deu aula de ballet. Eu lembro que na época fiquei curiosa. Eu cresci na favela, gente, não estranhem minha estranheza.

Essa professora chamou apenas três garotas. Eu estava entre elas. Falou: Olha, vocês são muito boas, levam muito jeito. Eu dou aula em um escola de ballet, fala pro pai de vocês conversar comigo que eu posso ver uma bolsa. Eu me animei, "ó, que chique, será que é de couro?" (hehe zoas, eu pensei isso em outra ocasião) . Falei com minha mãe, mas ela não deu bola. E também na época tinha dinheiro pra nada.  Vida que segue.

A professora pediu cadernos pois ia colar imagens das posições pra gente estudar. Eu, desde criança, super empenhada ( vulgo psicótica) com tudo que me interesso, colei adesivos em todas as folhas do meu. A professora foi embora da escola ( com meu caderno enfeitado!) e no lugar entrou uma que fez a gente dançar Rio Negro e Solimões pros pais usando uma camisa xadrez mostrando a pancinha. Super ousado.
Eu não soube opinar a respeito.
(Mas dancei com gosto porque eu sou dessas.)

( continua no próximo post ) 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

.